trilogia princesa das cinzas ordem

Princesa das Cinzas: veja a ordem e resenhas dessa fantástica trilogia

Esse é um romance épico e fantástico. Fantástico em dois sentidos: no sentido da fantasia, e no sentido do quão fascinante e emocionante é a trama desenvolvida por Laura Sebastian. Trata-se de uma saga que, do início ao fim, vai despertar no leitor vários tipos de emoções. A trilogia Princesa das Cinzas, lançada em 2018, hoje faz um enorme sucesso, portanto, não para nas prateleiras das livrarias e, por isso, é um consenso que devemos ter um artigo falando sobre cada um dos volumes em ordem aqui no blog.

Em meio a um degradê de sentimentos (tristeza, ódio, rancor, amor, paixão, amizade…), os leitores acompanham a jornada da protagonista Theodosia, princesa herdeira de Astrea, um reino amável, feliz e repleto de magia que, porém, quando a Theo tinha apenas 6 anos, foi totalmente destruído por um exército bárbaro, e a pequena menina teve sua mãe, Rainha do Fogo, assassinada.

Agora, mantida cativa no seu próprio palácio, numa terra em ruínas e governada pelo kaiser, a vida da protagonista é uma sequência de episódios de humilhação e tortura, tendo como título pejorativo: Princesa das Cinzas.

A narrativa apresenta muitos personagens maravilhosos e carismáticos além da protagonista, abrindo também espaço para romances bem acentuados, o que nunca faltaria em uma série Young Adult, claro.

Assim, saboreamos uma trama empolgante e gostosa, enquanto ficamos na expectativa pela reviravolta, onde os astreanos tomam de volta o seu lar.

A terra mágica de Astrea

Para te mostrar as marcas do gênero fantasia da trilogia, nada melhor do que falar sobre as pedras mágicas de Astrea.

Há algumas pedras no reino da Princesa das Cinzas que possuem energias mágicas poderosas. Essas rochas carregam energias dos quatro elementos da natureza: água, ar, fogo e terra. Aliás, quem tem uma dessas se torna dotado de poderes sobrenaturais.

Por várias gerações, na Astrea, apenas algumas pessoas podiam possuí-las e utilizá-las. Era uma grande responsabilidade, e deveria haver um intenso processo de capacitação e avaliação para que alguém se tornasse um guardião da uma pedra da Astrea.

Mas, se tratando de um reino tão poderoso, por que foi totalmente destruído pelos saqueadores da Kalovaxia?

Bom, a Astrea era um reino pacífico e, por isso, direcionavam a utilização das pedras para melhorias de natureza pacífica. Talvez eles não tenham se preparado belicamente o suficiente para que pudessem se defender de um poderoso exército.

*Alerta de spoiler. Vou falar um pouco sobre cada volume da série Princesa das Cinzas em ordem.

1. Princesa das Cinzas

Princesa das Cinzas 1

No primeiro volume da ordem da trilogia Princesa das Cinzas, o reino da Astrea é literalmente colocado ao chão por um exército inimigo profano, cujo líder assassina a Rainha do Fogo, cortando-lhe a garganta.

Após a invasão e destruição da Astrea, os habitantes que não morreram foram escravizados e, enquanto a princesa vivia encarcerada, o povo sofria nas mãos dos kalovaxianos.

Assim, a base de humilhação e tortura, suas casas eram saqueadas; e, agora, conviviam com as numerosas perdas de pessaos amadas. Além do mais, suas pedras mágicas estavam nas mãos dos invasores, com seus poderes sendo usados em benefício deles.

A Theo é, para o líder kalovaxiano, o símbolo  de uma grande conquista, então, ele a exibe humilhantemente ironizando seu posto de princesa, coroando-a com uma coroa de cinzas, que desfalece quando posta sobre sua cabeça.

Assim, a autora, Laura Sebastian, cultiva na série um sentimento de ódio e rancor por parte dos astreanos, principalmente da princesa, mas também por parte dos leitores, que esperam ansiosos por uma reviravolta e um fim bem “vingativo” (não somos santos) para o kaiser e seu povo. Eu já estou com raiva só de estar escrevendo este artigo!

Entretanto, a princesa conta com sua mente e sua capacidade para descobrir soluções. Enquanto aceita seu posto de Princesa das Cinzas de cabeça baixa, ela está em constante procura por um jeito de conquistar sua liberdade e a liberdade do seu povo.

Além disso, o povo nunca desistiu da sua liberdade e, agora, 10 anos depois, temos a princesa com 16 anos; temos os astreanos com novas cartas na manga, como guardiões das pedras, e novos aliados, como a rainha pirata. Dessa forma, uma fagulha de esperança brilha na escuridão.

O primeiro volume de Princesa das Cinzas introduz uma narrativa em primeira pessoa de uma maneira muito inteligente. Inclusive, ao final, deixando aquele gostinho de quero mais para fazer o leitor ficar atormentado na espera pelo próximo volume. Uma jogada de marketing que sempre dá certo comigo.

2. Dama da Névoa

Dama da Névoa

Neste segundo volume da ordem da trilogia Princesa das Cinzas, Theodosia não está mais cativa no palácio. Pois tomando como refém o filho do kaiser, Soren, ela escapou das mãos do tirano e agora está a quilômetros de distância.

Contudo, seu povo ainda é mantido escravizado e suas terras dominadas pelo líder kalovaxiano. Mas, o objetivo da protagonista sempre foi tomar seu posto e libertar seu país. Então, nesta segunda trama, com sua mente aguçada e seu talento para liderança, ela vai atrás de se tornar mais forte e também de conseguir um exército.

Aliás, segundo sua destemida tia pirata, Dragonsbane, a única maneira de se conseguir um exército é se casando para formar uma aliança. E como a Theo está disposta a fazer qualquer coisa para alcançar seu objetivo, foi convencida.

Então, o rei de Sta’Crivero entra em acordo para arranjar esse casamento, não porque é bonzinho, mas porque isso vai lhe render um bom dinheiro. Assim, os tripulantes do navio Fumaça se hospedam nesse reino tão diferente de tudo que eles já viram, pois, além de luxuoso, parecia apresentar tecnologias avançadas em relação à época proposta pela história. 

O segundo livro traz um caráter mais revolucionário e com mais ação do que o primeiro, já que os personagens estão mais maduros e mais confiantes; e melhorando a cada dia.

Em meio a tantos conflitos e situações difíceis, a autora ainda consegue espaço para inserir uma problemática romântica na história: um triângulo amoroso entre a protagonista, Soren e Blaise, amigo de infância da Princesa das Cinzas (vou parar de chamá-la assim).

Uma característica bem peculiar dessa trilogia é que as personagens mais notáveis são mulheres: a princesa, a Rainha do fogo, a Dragonsbane, além da Cress, filha do kaiser, que vem a se tornar uma vilã muito poderosa, aliás, com poderes sobrenaturais.

Por outro lado, a herdeira de Astrea vem ficando cada vez mais empoderada e com características de uma verdadeira rainha. Assim, em meio às reviravoltas, terminamos esse volume, novamente, mortos de curiosidade.

Antes de prosseguir, deixe-me te fazer uma recomendação. Já que chegou até aqui, provavelmente essa obra também vai te interessar: Os Sete Reinos.

3. Rainha das Chamas

Rainha das Chamas

Este é o terceiro e último volume da ordem da trilogia Princesa das Cinzas.

Dessa vez, temos uma vilã ainda mais insana e assustadora, a Cress, filha do kaiser, que agora é kaiserin. Cress, que na infância foi uma grande amiga de Theo, agora tem um grande poder mágico e maligno.

Entretanto, a protagonista, que terminou o segundo livro num grande mistério, inclusive para os leitores, em Rainha das Chamas, descobre um grande poder que emana de dentro de si. Assim, os leitores são guiados através dos textos com a promessa de uma batalha épica no fim.

Mas, calma! Eu pulei algumas partes importantes, então deixa eu voltar um pouco: o segundo livro da série termina em um momento sem muita explicação, quando a Theo entra em uma mina. Esse cenário não muda muito no início do terceiro livro, porém, as coisas vão sendo esclarecidas aos poucos.

Bom, a questão é que a Theodosia não lembra absolutamente nada do que aconteceu naquele lugar; e como a narrativa é toda guiada a partir da perspectiva da protagonista, o que ela sabe é, também, tudo que os leitores sabem.

Assim, durante algum tempo na histórias somos tomados por uma curiosidade que chega a ser irritante. Contudo, através de alguns sonhos e flashes, a autora vai nos tornando cientes e as coisas começam a fazer mais sentido: a passagem pela caverna foi um grande impulsionamento para despertar um grande poder na líder astreana.

Então, ao decorrer da trama, a Theo vai aprendendo a lidar com seus poderes, ao passo que se consolidam mais boas alianças, que serão fundamentais para derrotar um inimigo tão poderoso e finalmente libertar o povo da Astrea de tanto sofrimento.

Este volume tem grande enfoque nas batalhas, principalmente nas minas, portanto, apresenta uma quantidade satisfatória de ação. 

Dessa forma, Laura Sebastian, conduz uma narrativa muito bem escrita e muito bem elaborada, embora algumas pessoas possam achar os desfechos superficiais.

O romance, na minha opinião, é muito bem colocado, pois não é a principal problemática da história, mas dá um preenchimento bacana com um pouco de emoções mais leves, e acaba fazendo jus ao gênero Young Adults.

Gostou de conhecer a ordem dos livros da Princesa das Cinzas? Veja outros posts recentes do blog!

Foto: Editora Arqueiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.