resenha de extraordinário

Extraordinário: Leitura Para Deixar o Coração Quentinho [Resenha]

[cn-social-icon]

Sabe aquele livro que você termina com o coração quentinho? Então, foi isso que aconteceu comigo quando li a obra de R.J Palacio e é por isso que hoje vamos fazer uma resenha de Extraordinário aqui no blog! 

Na trama vamos conhecer a história de August Pullman, ou simplesmente Auggie, um garotinho que nasceu com uma síndrome rara e como consequência tem o seu rosto deformado. Auggie é educado em casa, mas com ele crescendo seus pais decidem colocá-lo em uma escola. 

A primeira reação de Auggie é raiva, pois ele não quer ir à escola, mas depois de um tempo ele fica com medo do que as pessoas vão achar, principalmente de sua aparência. Passado algum tempo, Auggie e sua mãe vão conhecer a escola, e lá ele conhece três crianças que serão seus colegas de sala durante o ano letivo: Charlotte, Julian e Jack Will. Por mais estranha que seja a situação, Auggie vai para a escola. Em um primeiro momento as pessoas o acham estranho e até fazem brincadeiras, mas Auggie vai aos poucos conquistando a todos. 

Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário é um livro dedicado a jovens e consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade – um impacto forte, comovente e , sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.

>>> Está gostando da nossa resenha de Extraordinário? Esse texto é uma parceria entre o Instagram Literário @mensagenslivrosecia, criado por Maria Beatriz, e o blog Os Melhores Livros. Também estamos presentes no YouTube,  Telegram e Instagram, nos quais você terá acesso a textos como esses e também diversos outros guias de leitura postados diariamente aqui no blog! Caso queira adquirir o livro, você ajuda o blog ao comprá-lo por esse link

Conhecendo a Escola

extraordinário

Gostei muito da atitude dos professores, que fizeram ele se adaptar e foram gentis a ver a situação dele, e gostei principalmente do professor Browme por causa dos seus preceitos. 

Achei bem legal a amizade dele com Summer, ela que sem ligar para os comentários das pessoas vai e se senta com Auggie no primeiro dia, e juntos eles fazem uma lista de pessoas com nome de estações que poderiam se sentar com ele na mesa. 

Já a amizade dele com o Jack Will é diferente, eles vão se aproximando aos poucos por causa das aulas e quando notam já são melhores amigos, foi muito legal ver os dois brincando e andando juntos, só fiquei triste quando Jack falou que preferia morrer a ter um rosto como o do Auggie, ele não merecia aquilo. 

O livro é narrado quase todo no ponto de vista de Auggie, mas em alguns capítulos é intercalado com sua irmã Olivia, sua amiga Summer, Jack Will, o namorado de Via, e sua melhor amiga Miranda.

A Família de Auggie

Um outro ponto que gostei no livro e acho importante ressaltar nessa resenha de Extraordinário foi a relação da família de Auggie com ele. Adorei o fato de a mãe dele ser brasileira, apesar de isso não ser muito explorado no livro. Sei que ambos os pais dele se preocupam muito com ele e o amam de todo o coração, mas principalmente a mãe protege e ama Auggie em um nível que às vezes chega bem perto da superproteção. Já o pai de Auggie parece ser aquele paizão que todo mundo deveria ter, que ama, protege, dá conselhos e até mesmo faz piadas. 

Sua irmã Olivia o ama, mas se sente sozinha em sua casa. Ela diz que “seu irmão é o sol da casa e o resto da família são os planetas que orbitam ao redor dele.” Ela também começa o ano letivo em uma nova escola, mas, ao contrário do irmão, ela tem amigas com quem pode contar, ou era o que ela achava até que elas se afastam de vez dela. Via começa a pensar mais em sua relação com sua mãe, que é bem tumultuada, e como seria se seu irmão fosse normal. Isso, claro, causa uma relação de dualidade dentro de si e logo ela se sente culpada por isso – afinal, ama muito seu irmão, só está cansada de se sentir sozinha e ela terá que batalhar contra esses sentimentos para achar a sua paz de espírito e encontrar a companhia que gostaria. 

A Relação Com os Amigos

De volta para Auggie, ele fica muito chateado com Jack após algumas frases mal colocadas e o ignora por um bom tempo. Antes da conclusão do livro, temos um capítulo com o ponto de vista dele que vai narrar tudo desde o começo do ano – quando o diretor pediu para Jack apresentar a escola para Auggie. Assim, podemos acompanhar tudo que aconteceu da perspectiva de Jack, de como ele percebe o erro que cometeu e entra remediar posteriormente. 

A parte auge do livro foi a do acampamento. Aqui vemos que mesmo que Auggie se sinta sozinho, ele tem muitos amigos e acaba se divertindo muito.

No último dia, ele e Jack acabam encontrando uns meninos maiores. Como é típico desse tipo de cena em obras americanas, logo os garotos mais velhos começam a querer arranjar encrenca, até que mais colegas de Auggie aparecem para o defender. 

Uma coisa chata que acontece no livro é o preconceito das pessoas, elas o julgam antes de conhecê-lo. Um grande exemplo disso é a mãe de Julian que em uma cena do livro edita uma foto para remover Auggie. E até mesmo o próprio Julian que ficava tirando brincadeiras sem graça com Auggie. Fora as outras crianças que ficavam sem tocá-lo dizendo que ele tinha alguma praga. É triste ver isso e saber que não é só no livro que isso acontece, mas também na vida real.

A parte que mais me tocou foi a formatura, ao ver como Auggie cresceu durante o ano letivo. Por exemplo, ele sempre deixava o cabelo crescer para cobrir o rosto, porém no dia da formatura ele deixa o cabelo bem mais curto e mostrando mais de seu rosto – outra prova de como ele cresceu é como ele conseguiu fazer vários amigos durante o ano letivo, mesmo com sua aparência. E, finalmente, a medalha que ele ganha é uma cena linda demais, senti tanto orgulho dele, e pareceu como se eu estivesse lá no auditório da escola aplaudindo-o e a frase do diretor foi muito incrível: “A grandeza não está em ser forte, mas no uso correto da força… Grande é aquele cuja a força conquista mais corações”.

Para finalizar a resenha de Extraordinário, eu separei alguns preceitos que aparecem na obra: 

  • “Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil”. — Dr. Wayne W. Dyer
  • “Não tenha amigos que não estejam à sua altura”. — Confúcio.
  • “Audentes fortuna iuvat. (A sorte favorece os bravos.)” — Virgílio
  • “É melhor saber algumas perguntas do que todas as respostas”. — James Thurber
  • “Palavras gentis não custam muito, e ainda assim conquistam muito”. — Blaise Pascal
  • “Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo”. — Auggie.

Gostou da nossa resenha de Extraordinário? Qual o seu preceito favorito? Veja abaixo outros artigos recentes do blog!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *