damas rebeldes ordem

Damas Rebeldes: Ordem e resenhas desses incríveis romances

Neste artigo, vamos falar sobre um dos romances de Julia Quinn que, talvez, não seja dos mais badalados, mas alcança os corações de milhares de leitores ao redor do mundo: estamos falando da trilogia Damas Rebeldes; veja cada volume em ordem com suas respectivas resenhas.

Quando falamos de romance, Julia Quinn ocupa uma posição alta nas prateleiras da literatura. A autora já escreveu inúmeros sucessos do gênero. Alguns ficaram na escala dos bem sucedidos e outros ganharam muita proporção, como no caso da série Os Bridgertons que chegou a ganhar uma adaptação para a Netflix e se tornou um dos maiores sucessos da plataforma de streaming. O fato é que ela já vendeu mais de 15 milhões de livros ao redor do mundo e seus trabalhos já foram traduzidos para 37 idiomas. 

Os romances da escritora, normalmente, seguem narrativas leves e cômicas, com muitos diálogos divertidos e personagens engraçados, ao passo que nos imergimos em histórias de amor capazes de aquecer satisfatoriamente nossos corações.

Damas Rebeldes, assim como outras séries da autora, não conta uma mesma história tendo cada livro como um episódio. Em outras palavras, cada volume conta uma trama romântica diferente e com outros protagonistas, embora os livros compartilhem alguns personagens. Funciona da mesma forma que na Trilogia Bevelstoke, da Julia, sobre a qual já falamos em um outro artigo aqui do blog.

Mesmo assim, a obra tem sua cronologia correta. Veja abaixo a ordem dos livros de Damas Rebeldes.

>>> Mas antes: caso queira receber em primeira mão todos os novos posts do blog, inscreva-se em nosso canal do Telegram!

1 – Esplêndida

Esplêndida damas rebeldes 1

Neste primeiro volume da ordem dos livros de Damas Rebeldes, acompanhamos uma jovem americana chamada Emma Dunster. Nesse romance de época, a protagonista foge aos padrões das mocinhas da sociedade, tendo objetivos para o futuro que vão além de se casar e criar uma família.

Por outro lado, temos o duque de Ashbourne, Alexander Ridgely. Um solteirão que não costuma se envolver seriamente com ninguém. Até que uma linda moça, de um jeito inesperado, aparece na sua vida. Ele nunca pensou que alguma dama algum dia fosse atraí-lo daquela forma. Entretanto, a moça não é um tipo de par adequado para um duque, pois aparentemente é uma criada, sem muitos modos de uma nobre. Mas nem tudo é o que parece…

Na verdade, a dama rebelde é uma herdeira, que tem o sonho de assumir os negócios do seu pai — um estaleiro muito bem sucedido. Como a narrativa se passa em uma época antiga, não era comum que mulheres assumissem esses tipos de negócios. Ainda mais uma solteirona como a Emma. 

Por isso, seu pai, com o objetivo de distraí-la e tirá-la um pouco daquele ambiente, a mandou para a Inglaterra, onde há nobres pretendentes para a jovem. Se ela arranjar um casamento talvez deixe a ideia de empreender de lado.

Porém, mesmo que ela tenha aceitado passar um tempo em Londres, claramente, não tem o objetivo de encontrar um marido. Assim, ela se veste como uma criada para aproveitar o anonimato e se livrar das expectativas em meio a aristocracia londrina.

Mas… Um acontecimento leva a protagonista em direção ao que ela parecia evitar a todo custo. Um quase acidente liga os caminhos de Emma aos de Alex. 

O duque é um conquistador nato e, aos 29 anos, não tem a intenção de se casar. As amantes suprem bem suas necessidades. E, quando uma jovem desafiadora, linda e rebelde cruza o seu caminho, ele se sente intensamente atraído.

Apesar de Emma também sentir uma atração que nunca sentira antes, ela não pretende ceder tão fácil ao desejo do galanteador. E, enquanto ele faz de tudo para levá-la para cama, o mesmo percebe, em si, sentimentos que vão além de sexo. Dessa forma, esse romance causa um grande impacto na vida dos dois, que nunca mais será a mesma.

2 – Brilhante

Brilhante

Este é o segundo volume da ordem dos livros de Damas Rebeldes.

Numa época antiga, por volta do início do século XIX, a narrativa do segundo livro na ordem da Trilogia Damas Rebeldes conta a história de Lady Arabella, personagem que já conhecemos no livro anterior. Uma amante da leitura e que, quando o assunto é casamento ela é irredutível. É uma bela mulher, inteligente, importante… Por isso, propostas não faltaram, mas ela jamais se casaria se não fosse por amor. 

Após ter passado muitas temporadas solteira, uma viagem promete mudar isso. Ela vai para o campo, para passar um tempo hospedada na casa da sua prima Emma. E, lá, ela conhece o vizinho Lord John Blackwood. Imediatamente, Arabella se encheu de interesse pelo enigmático e atraente Blackwood.

Com a intenção de descobrir mais sobre a pessoa e sobre os sentimentos dele, a protagonista passa a adotar um comportamento audacioso; ela nunca agiu assim antes.

O Blackwood é um ex-soldado, tendo vivenciado terríveis batalhas e, ao levar um tiro no joelho, se aposentou. Como normalmente acontece, a guerra mexe com o psicológico das pessoas, principalmente dos atuantes. Mas, no caso de John, houve um acontecimento específico que o faz se sentir culpado.

John se tornou um cara muito resguardado, só e defensivo quando alguém tenta entrar em sua vida. Ele realmente está sempre tentando evitar que coisas boas aconteçam consigo. Parece que ele mesmo se sentenciou à uma vida sem amor. E, por isso, foi parar no campo, num lugar onde provavelmente estaria longe da tentação do prazer.

Ele não podia esperar que, num lugar como aquele, acabaria topando com uma dama tão interessante, inteligente, atraente… Será que ele pode resistir?

Além do mais, Arabella, quando quer alguma coisa, é tomada por uma determinação descomunal. Dessa forma, a tarefa do homem de evitar o amor poderá ser classificada como uma missão quase impossível.

Ela percebe que há algo forte entre os dois e que ele sente o mesmo, mas também sabe que há um motivo por trás daquele jeito fechado de John que impede a aproximação. Porém, ela está disposta a colocar no chão qualquer barreira que esteja entre eles.

Julia Quinn, em Brilhante — segundo livro de Damas Rebeldes —, aplica seu jeito leve e fluido de escrever um romance. Pode ser clichê, mas é bem feito e muito agradável, com personagens bem desenvolvidos e cativantes. Inclusive os coadjuvantes.

3 – Indomável

Indomável

Indomável é o terceiro volume na ordem dos livros de Damas Rebeldes. Neste volume acompanhamos a Henry, uma órfã que, no presente da narrativa, tem 20 anos. Desde os 14 anos, a menina tinha a responsabilidade de cuidar das propriedades do seu tutor. E, até o momento, ela vinha sendo bem sucedida.

Mas, com a morte do seu tutor, os bens foram herdados por um parente distante. Henry tem muito medo do que pode acontecer. Ele pode querer expulsá-la, mudar tudo, ou destruir tudo aquilo que ela vinha trabalhando.

Por isso, ela prepara uma recepção não muito agradável ao herdeiro, tentando apresentar tudo aquilo de uma forma negativa para ver se ele desiste de se apropriar daquela terra. 

De outro lado, temos o William Dunford, o herdeiro. Um solteiro, que curte a liberdade e não faz planos de se casar. Os relacionamentos sem nenhuma ligação sentimental sempre supriram as necessidades dele. Até agora…

Quando chegou o comunicado de que ele tinha herdado aqueles bens e o título de barão, foi uma grande surpresa. Contudo, no testamento do tutor da Henry, dizia que William também passaria a ser responsável por ela.

Os planos de Henry de afastar os novo barão são frustrados, pois ele não se deixa levar pelo que ela tenta fazer parecer. Enquanto a linda moça esbalda seu jeito de dama rebelde, William se sente cada vez mais atraído. Um sentimento mútuo que nenhum dos dois jamais experienciaram.

Exercendo seu papel de tutor, ele conta com a ajuda de suas amigas, Arabella e Emma, e tenta introduzir a dama na sociedade londrina para, quem sabe, arranjar um casamento. O problema é que John quer ser a primeira e única opção dela, sua tutelada. 

Ambos os protagonistas são personagens muito cativantes. Dunford é um personagem já conhecido das outras tramas e, desde os outros volumes, mesmo sendo coadjuvante, já despertava bastante interesse nos leitores. Era mais do que justo que Julia Quinn o fizesse de protagonista em um dos seus livros.

Em Indomável, a autora segue sua fórmula leve e fluida para desenvolver um romance despretensioso e agradável. São narrativas cheias de diálogos cômicos e que aos poucos vão tomando uma profundidade interessante.

Conclusão

Bom, mais uma vez, Julia Quinn, merecidamente, está aqui no nosso blog. É criadora de vários best-sellers, então é obrigação nossa apresentarmos os trabalhos dessa incrível personalidade da literatura para o nosso público.

Se você gostou dos enredos dos livros, compartilhe esse texto com suas amigas e amigos leitores que adoram um romance. Tenho certeza que vão gostar!

E se você acha que faltou alguma informação relevante que deveria estar aqui, deixe nos comentários abaixo para ajudar-nos a melhorar nosso conteúdo cada vez mais. Abraço!

Gostou de conhecer a ordem dos livros de Damas Rebeldes? Veja outros posts recentes do blog!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.