alice no país das maravilhas resumo

Alice no País Das Maravilhas: Na Toca do Coelho [Resumo] 

[cn-social-icon]

Neste texto vamos fazer um resumo de Alice no País Das Maravilhas, um clássico da literatura infantil escrito por Lewis Carroll em 1865. A história começa com a jovem Alice, que, ao seguir um coelho branco, cai em um buraco e chega a um mundo fantástico e surreal.

No País das Maravilhas, Alice encontra personagens estranhos como o Chapeleiro Maluco, o Gato de Cheshire e a Rainha de Copas. Ela também passa por diversas situações absurdas e ilógicas, como encolher e crescer de tamanho, jogar croquete com flamingos e lidar com a constante mudança do tempo.

Alice enfrenta muitas dificuldades para encontrar seu caminho de volta para casa, mas nunca perde sua curiosidade e determinação. Ela acaba aprendendo muito sobre si mesma e sobre o mundo ao seu redor.

Ao longo do livro, o autor satiriza a sociedade vitoriana, expondo suas contradições e hipocrisias. Ele também questiona a lógica e a razão como formas absolutas de compreender a realidade, propondo um universo onde a imaginação e o absurdo são as principais ferramentas para a compreensão do mundo.

Alice no País Das Maravilhas é uma obra que transcende gerações e culturas, conquistando fãs de todas as idades ao redor do mundo. Seu enredo cativante, personagens inusitados e linguagem poética fazem desta história um clássico imortal da literatura.

>>> Está gostando de ver a nossa lista de livros enemies to lovers? Então tenho uma recomendação para você nunca perder novos conteúdos como este → Se inscreva nas nossas redes sociais: Instagram; Canal do Telegram e Canal do Youtube. Caso queira ajudar o blog e goste do livro, você pode adquirí-lo através deste link.

O Que Representa Cada Personagem de Alice no País das Maravilhas?

alice no país das maravilhas

Começamos nosso resumo de Alice no País das Maravilhas ressaltando que a obra é repleta de símbolos e alegorias que estimulam a imaginação e o pensamento crítico do leitor. Por exemplo, o relógio que se derrete simboliza a relatividade do tempo e a impossibilidade de controlá-lo. Já o Chapeleiro Maluco pode ser visto como uma crítica à alienação da sociedade industrial. A seguir, apresento algumas interpretações possíveis:

  • Alice: representa a inocência e a curiosidade infantil, que são fundamentais para a exploração do mundo e o desenvolvimento pessoal.
  • Coelho Branco: pode ser visto como um símbolo do tempo e da morte, que são inevitáveis e imutáveis.
  • Chapeleiro Maluco: simboliza a loucura e a alienação, que muitas vezes são associadas à criatividade e à originalidade.
  • Gato de Cheshire: representa o misterioso e o inexplicável, que fazem parte da natureza do mundo e desafiam a lógica e a razão.
  • Rainha de Copas: simboliza a autoridade opressiva e arbitrária, que muitas vezes é usada para controlar e manipular as pessoas.
  • Lagarta: representa a transformação e a metamorfose, que fazem parte da vida e do processo de amadurecimento.
  • Lebre de Março e Lebre de Abril: podem ser interpretados como um símbolo da falta de sentido do tempo, que muitas vezes é arbitrário e subjetivo.
  • Duquesa: representa a falsa moralidade e a hipocrisia da sociedade vitoriana.
  • Barata: simboliza a hierarquia e a estrutura social, que muitas vezes são opressivas e limitantes.

Essas são apenas algumas interpretações que são citadas regularmente sobre o simbolismo dos personagens de Alice no País das Maravilhas. Assim, a leitura pode ser uma experiência enriquecedora e desafiadora para quem se propõe a explorar seus significados mais profundos.

Qual a Moral de Alice no País Das Maravilhas?

A moral da história é a importância da imaginação e da curiosidade na compreensão do mundo. É importante ressaltar que a protagonista Alice se depara com um universo absurdo e ilógico, onde as regras da lógica e da razão não se aplicam. Em vez de rejeitar o que é diferente e desconhecido, no entanto, ela se mantém curiosa e aberta a novas experiências.

A mensagem da história é, portanto, que devemos valorizar a imaginação e a criatividade como ferramentas para lidar com as adversidades da vida. Em vez de se apegar a uma visão limitada e racional do mundo, devemos explorar novas possibilidades e aceitar o que é diferente.

Além disso, o livro também apresenta críticas à sociedade vitoriana e suas contradições e hipocrisias. A Rainha de Copas, por exemplo, representa a autoridade opressiva e arbitrária, enquanto o Chapeleiro Maluco pode ser interpretado como uma crítica à alienação da sociedade industrial. A moral da história, nesse sentido, também pode ser vista como um apelo à reflexão crítica sobre as estruturas sociais e políticas do mundo em que vivemos.

Frases de Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas é um livro repleto de frases interessantes e memoráveis. Seguem abaixo 10 delas:

  1. “Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.”
  2. “Às vezes, eu acredito em até seis coisas impossíveis antes do café da manhã.”
  3. “Você pode ter certeza de que eu não sou como você… e eu espero que existam monstros, dessa forma, há algo para lutar.”
  4. “Talvez eu não seja como as pessoas normais, mas isso não significa que minha alma não seja pura.”
  5. “A diferença entre a realidade e a imaginação é que a imaginação é infinita.”
  6. “Ser curioso é como um gato, você tem que seguir para ver onde isso te leva.”
  7. “Eu não sou louco, minha realidade é apenas diferente da sua.”
  8. “Sempre me confundo, às vezes, com seis horas ou quinze minutos de atraso.”
  9. “Todas as pessoas loucas aqui são loucas por uma razão.”
  10. “Se você não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve.”

Conclusão do Resumo de Alice no País Das Maravilhas

Concluímos nosso resumo de Alice no País das Maravilhas destacando um pouco a a importância histórica da obra que está relacionada a diversos aspectos. Um dos mais significativos é que a obra foi pioneira no gênero da literatura infantil, que até então não era muito valorizado. Ao criar uma narrativa fantasiosa e divertida para crianças, Carroll abriu caminho para outros autores explorarem esse tipo de literatura.

Outro aspecto importante é o fato de que a obra de Carroll foi uma das primeiras a subverter as convenções da literatura infantil de sua época. Em vez de apresentar um mundo idealizado e moralmente edificante, como era comum nos livros para crianças da época, “Alice no País das Maravilhas” mostra um universo caótico, absurdo e muitas vezes perturbador. Esse tipo de abordagem influenciou muitos autores posteriores, incluindo Roald Dahl, J.K. Rowling e Neil Gaiman.

Além disso, a obra tem sido interpretada como uma sátira social e política, que faz críticas a diversos aspectos da sociedade vitoriana em que foi escrita. Através das aventuras de Alice, Carroll fazia comentários sobre temas como a educação, a política, a religião e a hierarquia social. Essa dimensão crítica da obra contribuiu para que ela se tornasse um clássico da literatura, que continua a ser lida e admirada até hoje.

Por fim, “Alice no País das Maravilhas” é uma obra de grande valor estético, que mistura elementos do nonsense, do surrealismo e do humor, criando uma atmosfera única e inesquecível. A história de Alice, seus personagens excêntricos e as situações absurdas em que se envolve continuam a encantar e fascinar leitores de todas as idades, tornando a obra um verdadeiro tesouro da literatura.

Gostou do nosso Resumo de Alice no País Das Maravilhas? Veja também outros artigos recentes do blog!

1 comentário em “Alice no País Das Maravilhas: Na Toca do Coelho [Resumo] ”

  1. Eu li Alice no País das Maravilhas, ainda jovem. Todo aquele absurdo me fazia pensar em uma narrativa que se passava em mundo obscuro e isso me encantava. Imagine minha decepção ao tomar contato com a adaptação da Disney para obra. Bem decepcionante. E a Disney seguiu fazendo isso com alguns classicos da literatura que em geral não tinham essa paleta colorida, nem eram contos de narrativas edificantes e moral virtuosa. Hoje, mais maduro, estou convencido de que escritores com Lewis Carrol, Julio Verne, CS Lewis e outros, com suas narrativas absurda, tinham o propósito de nos fazer pensar de às aversas, fora da caixinha racional ou lógica. Nos fazer que o mundo é mais do que nossos olhos veem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *